Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Jair Bolsonaro e Fernando Haddad disputarão a Presidência no 2º turno
Início do conteúdo da página
Últimas notícias

Jair Bolsonaro e Fernando Haddad disputarão a Presidência no 2º turno

  • Publicado: Segunda, 08 de Outubro de 2018, 16h34
  • Última atualização em Segunda, 08 de Outubro de 2018, 16h47
imagem sem descrição.

Às 20h50, as apurações do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) confirmaram matematicamente que Jair Bolsonaro (PSL), 63 anos, e Fernando Haddad (PT), 55 anos, disputarão o 2º turno das eleições presidenciais em 28 de outubro.

O resultado com 99,9% das urnas apuradas indica o militar com 49.275.358 votos –46,03% do total de válidos (sem considerar brancos, nulos e abstenções). Em 2º lugar, ficou o petista com 31.341.839 votos –29,28% do total.

Ciro Gomes (PDT) recebeu 13.344.074 votos –12,47% dos votos válidos. Em 4º lugar ficou Geraldo Alckmin (PSDB) com 4,77%. Eis os resultados com 99,9% das urnas apuradas:

O resultado das urnas confirma a tendência indicada pelas pesquisas de intenção de voto divulgadas nos últimos dias (veja no agregador de pesquisas do Poder360). Os candidatos de PSL e PT cresceram na última semana e se destacaram dos adversários.

Essa configuração quebra a polarização PT-PSDB que se consolidou em 1994 e se repetiu em todas as eleições presidenciais até a última, em 2014.

Bolsonaro liderou todas as pesquisas desde que a candidatura de Luiz Inácio Lula da Silva foi barrada pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Com uma campanha centrada nas redes sociais e sem a estrutura tradicional dos maiores partidos, o militar ganhou força e abasteceu esperanças, inclusive, de vencer no 1º turno.

Fernando Haddad começou a campanha desconhecido da maior parte do eleitorado. Foi oficializado candidato à Presidência em 11 de setembro. Em menos de um mês, incorporou parte dos votos cativos de Lula e se consolidou em 2º lugar. Eis a curva de evolução dos candidatos nas pesquisas até a véspera da eleição:

Geraldo Alckmin (PSDB) decepcionou. Dono da maior coligação, com 9 partidos, e do maior tempo de TV, não conseguiu decolar em nenhum momento da campanha. Sem sucesso, viu aliados se debandarem para o lado de Jair Bolsonaro, inclusive o PP gaúcho, de sua vice, Ana Amélia.

No fim, foi derrotado em seu próprio Estado, São Paulo, que já governou por 4 mandatos.

CANDIDATOS NANICOS

No bloco de candidatos que ficaram abaixo de 3% dos votos, o destaque foi João Amoêdo do partido Novo, que participa da sua 1ª eleição presidencial. O candidato superou em votos o MDB de Henrique Meirelles, candidato que mais gastou na campanha, o senador Alvaro Dias (Podemos) e a ex-ministra Marina Silva (Rede).

A candidata da Rede Sustentabilidade, que concorreu pela 3ª vez à Presidência foi a grande decepção. Teve seu pior desempenho, com 1% dos votos válidos –uma fração dos 21,32% que teve em 2014, quando foi candidata pelo PSB, e dos 19,33% em 2010, quando ainda era filiada ao PV.

tendência de queda já aparecia nas últimas pesquisas. A candidata chegou a ter 16% das intenções de voto no começo do ano, mas a falta de estrutura partidária e um discurso que não colou junto ao eleitorado levaram à derrocada nas urnas.

À frente de Marina ainda ficou o candidato Cabo Daciolo (Patriota), que ganhou notoriedade por sua participação nos debates na TV aberta e por ter passado a maior parte da campanha em retiro em um monte no Rio de Janeiro.

Via Poder 360

registrado em:
Fim do conteúdo da página