Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Banner > Vereadores cobram respostas aos secretários sobre dragagem e enchente dos rios Ponte Preta, Santana e Mangueira
Início do conteúdo da página

Vereadores cobram respostas aos secretários sobre dragagem e enchente dos rios Ponte Preta, Santana e Mangueira

Publicado: Quinta, 07 de Fevereiro de 2019, 17h19 | Última atualização em Quinta, 07 de Fevereiro de 2019, 17h19 | Acessos: 63
imagem sem descrição.

Conforme vem cobrando desde o ano de 2018, através de ofícios em diferentes sessões, pedindo a realização de dragagem e desassoreamento dos rios, córregos e canais do município, o presidente da Câmara Municipal de Itaguaí, Dr. Rubem Ribeiro (Podemos), criticou a negligência do secretário em não realizar ações preventivas que possivelmente evitariam as tragédias do último final de semana. “Se esses problemas não forem resolvidos com urgência, daqui há alguns meses estaremos nesta Casa debatendo os alagamentos desta cidade”, disse na ocasião de uma indicação.

Durante pronunciamento na sessão ordinária de terça-feira (05), Dr. Rubem Ribeiro mostrou-se indignado em relação ao descaso por ocasião dos alagamentos crônicos ocorridos na cidade. “Hoje o dia inteiro ouvi pessoas falando sobre rios. E isso muito me incomodou, pois durante todo ano de 2018 eu falei sobre essa questão e em especial o rio da Ponte Preta.” Disse o presidente que relembrou os inúmeros ofícios encaminhados para a Secretaria de Meio Ambiente e Planejamento, Secretaria de Ordem Pública e Limpeza além de outros órgãos cobrando definições para o problema. Concordando com o presidente o vereador Willian Cézar (PSB) completou, “É claro que não esperávamos que caísse tanta água, mas esperávamos sim que em algum momento algo acontecesse em nossa cidade porque não vemos a limpeza sendo feita regularmente”, reafirmou o vereador Willian Cézar.

Apesar dos esforços de todos os vereadores que deixaram de lado bases políticas visando solucionar essa questão, mesmo assim o fato se repetiu e nada foi feito, “Entendo cada vereador desta Casa e gostaria de defender a todos, independentemente de viés político, por que sei que os vereadores desta legislatura estão na rua cobrando medidas. Tenho orgulho de todos os vereadores”, analisou o presidente apontando para a tragédia anunciada, “Infelizmente, temos secretarias totalmente desorganizadas e que se perderam no caminho e agora já não sabem o que fazer ou por onde começar”, afirmou o vereador Rubem.

Em seguida o presidente destacou a resposta do secretário de Meio Ambiente, Leonardo Vieira Maltas, ao seu ofício sobre a manutenção dos rios. Dos muitos comunicados encaminhados sobre o assunto pelo vereador Rubem, somente este ano alguns entre eles foram respondidos. O presidente contou que recebeu com estranheza um ofício da Secretaria de Meio Ambiente alegando que a desobstrução de rios, dragagem e remoção de gigogas não é sua atribuição e sim da Secretaria de Ordem Pública, “Eu fui um dos defensores em deixar a Secretaria de Meio Ambiente livre pra facilitar e dar celeridade nas providências. Porém, o secretário Leonardo, o qual desconheço, informou-me que processos relativos aos rios são de responsabilidade da Secretaria de Ordem Pública, do secretário Nisan César dos Reis Santos”.

Ao término o Dr. Rubem indagou de quem seria o dever de realizar a manutenção nos rios. “Ora, se o Meio Ambiente não é o responsável, como é que a Ordem Pública agora é quem deve ter essa responsabilidade? Esse secretário quis tirar a obrigação de sanar o problema que é dele para empurra-lo para outra pasta”, problematizou o presidente que concluiu: “Agora ninguém sabe de quem são os rios, se é da Ordem Pública, do Meio Ambiente, da Secretaria de Obras...” ironizou o presidente demostrando sua total indignação e finalizou: “É vergonhoso passar por isso. Agora os rios não tem dono!” No entendimento do vereador Carlos Kifer (PP) a responsabilidade é do secretário Leonardo, “Pra mim o secretário foi infeliz nesse ofício. Ele deveria se preocupar em licenciar a área e legalizar a retirada desse material dos rios e canais para que a Secretaria de Obras pudesse retirar o material posteriormente.”

registrado em:
Fim do conteúdo da página